« Voltar
TOMÁS RIBEIRO

 

[N. Parada de Gonta, 1-7-1831 — m. Lisboa, 6-2-1901]

 

 

Tomás António Ribeiro Ferreira nasceu em Parada de Gonta, na Beira Alta. Formado em Direito pela Universidade de Coimbra, exerceu advocacia durante algum tempo, cedo enveredando pela carreira política, que desenvolveu a par da sua carreira literária. Foi Deputado, Par do Reino, Ministro de Estado, Ministro da Marinha e das Obras Públicas, Governador dos Distritos de Braga e do Porto depois de, em 1860, ter sido nomeado Presidente da Câmara Municipal de Tondela. Foi Presidente da Classe de Letras da Real Academia das Ciências de Lisboa.

Exerceu o cargo de secretário-geral do governo da Índia. A sua estada naquela colónia inspirou-o para escrever a peça dramática A Indiana e vários poemas coligidos no volume Vésperas, poemas que reflectem um certo gosto pelo exotismo, ainda ao jeito romântico. Dessa estada no Oriente resultaram também dois volumes de narrativas de viagem, intitulados Jornadas.

Tomás Ribeiro viria a ser projectado para a ribalta literária depois de publicado o poema de grande fôlego D. Jaime (1862), prefaciado elogiosamente por Castilho (que considerava o jovem autor superior a Luís de Camões), uma das peças polémicas que deram origem à famosa "Questão Coimbrã".

Amigo de Camilo Castelo Branco, que visitou em S. Miguel de Ceide, prefaciou alguns dos livros do romancista, dedicou-lhe Dissonâncias e auxiliou-o na doença, recebendo o autor de Amor de Perdição na sua quinta de Carnaxide. Naquela localidade foi um dos maiores incentivadores do culto de Nossa Senhora da Rocha, tendo estimulado a construção do santuário e de várias outras obras de benefício para a população.
P

roduziu ensaios históricos, como a História da Legislação Liberal Portuguesa e Empréstimo de D. Miguel. Em teatro publicou ainda A Delfina do Mal, representado no teatro de D. Maria. Contam-se entre os seus livros de poesia Sons que passam (que inclui o poema "A Judia", muito celebrado nos salões sociais da época), e Dissonâncias.

 

in Centro de Documentação de Autores ortugueses, 03/2005
« Voltar