O louco endoideceu
Por ter tido juízo.
Correu, correu, correu
Até ao paraíso...

Que era só estar cansado
Porque quando se corre
O cansaço é-nos dado
Quando o correr-bem morre.

De aí essa loucura
Do louco com juízo
Que viu a noite escura
E saltando por cima dela
Caiu no paraíso.

6 - 8 - 1934

In Poesia 1931-1935 e não datada , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2006
Fernando Pessoa
« Voltar