Tão vagabundo eu fui
Neste campo de flores e silvas;
Aqueles que eu conheci não só vieram
Como se esconderam além de mim.

Em vão procuro arrancá-los,
A eles que por amigo me tomaram.
No sangue, indistintos, já de carne,
A carne do meu espírito formaram.

Agora, eu procuro a extrema unção.
Mergulho num mar como se vê nos sonhos;
Não existem fantasmas que me salvem
E os outros desconhecem-me a imaginação.

Eis que eu apelo aos que me odeiam,
Dobrando-me a um tormento mais terrível;
Os que me amam, conhecem o mistério
Que torna a minha voz inesquecível.

 


In Nós Não Somos Deste Mundo
Ruy Cinatti
« Voltar