Aos homens de sangue de Versalhes em 1871

Ergue-te enfim, Justiça vingadora!
Corusque em breve a tua espada ardente!
Eu vejo a Tirania omnipotente,
Enquanto ao longe a Piedade chora…

Nasce rubra de sangue cada aurora,
E o sangue ensopa a terra ainda quente…
É congresso de sangue o que esta gente
Abriu entre as nações, que o sangue irrora!

Ante o altar encoberto do Futuro
E ante ti, Vingadora, acuso e cito
Estes homens de insídia e ódio escuro!

Endureça minha’alma, e creia e espere,
Com um desejo estóico e infinito,
Só na Justiça que condena e fere!

 


1871

In Odes Modernas
Antero de Quental
« Voltar