Deixai entrar a Morte, a Iluminada,
A que vem para mim, pra me levar.
Abri todas as portas par em par
Com asas a bater em revoada.

Que sou eu neste mundo? A deserdada,
A que prendeu nas mos todo o luar,
A vida inteira, o sonho, a terra, o mar
E que, ao abri-las, no encontrou nada!

Me! minha Me, pra que nasceste?
Entre agonias e em dores tamanhas
Pra que foi, dize l, que me trouxeste

Dentro de ti? Pra que eu tivesse sido
Somente o fruto amargo das entranhas
Dum lrio que em m hora foi nascido!...

In Reliquiae
Florbela Espanca
Voltar