Com a mão brincando sem virtude ou vício,
o sexo antes do sexo pressentindo,
conhecem-se as crianças, que, dormindo,
irão morrendo em sexo e juventude.


Da vã cidade o pálido bulício
em sonhos se dilui. Sombras sorrindo
afastam-se, crianças conduzindo
à virgindade ansiosa, austera e rude.


Pelas esquinas, no limiar da terra,
lá onde os sóis os prados ainda rasam
e as ervas vibram  num tremor obscuro,


nocturno o espaço os  milhares de olhos cerra,
sombras serão as crianças que se atrasam,
e a Graça, alheada, é o gesto ainda futuro.


In As Evidências
Jorge de Sena
« Voltar