Estou escrevendo sonetos regulares 
(Ou quase regulares) como um poeta... 
Mas se eu dissesse a alguém a dor completa 
Que me faz ter tais gestos e tais ares, 

Ninguém acreditava. Ó grandes mares 
Da emoção subindo em névoa preta 
Até a mágoa ser como a do asceta.
Como um estalido de «mola de pressão» 
Fecho a carteira dos apontamentos 
Onde fixei a minha indecisão, 

Não sou meu ser, nem sou meus pensamentos, 
A minha vida é um príncipe ao balcão 


□ espaço deixado em branco pelo autor.

In Poesia , Assírio & Alvim, ed. Teresa Rita Lopes, 2002
Álvaro de Campos
« Voltar