Pontualmente uma árvore de ouro
nasce onde o sémen do homem
e o curso de água feminino
se fundem e as sombras se somem.


Verdura dos olhos de Anaíta
por nossas carícias semeada
que passeios de tílias nas cidades
para a pureza do encontro  guarda.

Anaíta que a  raiz do homem
na terra da mulher prepara
e  as extremidades do mundo
num ramo de amor ata.


Anaíta que as árvores conhecem
por seu nome próprio de mirtos
e como risos as aves voam
seu fresco bater de cílios.


Matrona que à cabeça traz
a abismada bilha dos espaços
pomo celeste que destila
no alambique dos afagos.


Anca do mundo requebrada
estrela que guarda em seu lenço
os beijos com que sopramos
a nossa bolha de silêncio.


Ouvido que o crescer dos abetos
no bosque da cópula escuta.
Mulher! oh rito de Anaíta
mistério de ser virgem e puta.

 


In Mátria
Natália Correia
[PONTUALMENTE UMA ÁRVORE DE OURO]
« Voltar