Não sei se em mim a mente se quebrou
           Nem se a razão me foi adoecer;
           Não sei se o amor é só o último sinal
           De Deus em mim, ou a voz que se calou
                No caos do querer.


Meu pensar deve ser o da loucura
           E a minha alma é por fantasma habitada —
Formas grotescas e estranhas a rolar
           Em minha mente, quais vermes em sepultura…

 

1906

In Poesia , Assírio & Alvim , edição e tradução de Luisa Freire, 1999
Alexander Search
« Voltar