Não: não pedi amor nem amizade
      Às almas nem à vida;
Pedi-os à ilusão, à saudade,
      E a uma ‘sp’rança perdida.

O que me deram não compensa o nada
      Do que a vida me deu;
Mas, como a um pobre, o que me deu pousada
      Deu-me um pouco do céu.

Perdi já tudo: o que negou o que é
      E o que o sonho me dera...
Sou hoje o sol que vagueia a pé
      Entre o que foi e o que era.

Hoje, descrente até do que não há,
      Vagueio em mim sem mim,
E tudo o que sonhei é um deus que ‘stá
      Guardando a treva e o fim.

31 - 10 - 1927

In Poesia 1918-1930 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar