Passamos pelas coisas sem as ver,
gastos, como animais envelhecidos:
se alguém chama por nós não respondemos,
se alguém nos pede amor não estremecemos,
como frutos de sombra sem sabor,
vamos caindo ao chão, apodrecidos.

In As Mãos e os Frutos
Eugénio de Andrade
[PASSAMOS PELAS COISAS SEM AS VER ]
« Voltar