Se recordo quem fui, outrem me vejo,
E o passado é o presente na lembrança.
      Quem fui é alguém que amo
      Porém somente em sonho.
E a saudade que me aflige a mente
Não é de mim nem do passado visto,
      Senão de quem habito
      Por trás dos olhos cegos.
Nada, senão o instante, me conhece.
Minha mesma lembrança é nada, e sinto
      Que quem sou e quem fui
      São sonhos diferentes.
26 - 5 - 1930

In Poesia , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, 2000
Ricardo Reis
[SE RECORDO QUEM FUI OUTREM ME VEJO ]
« Voltar