Ei-lo  que  avança
de   costas   resguardadas   pela   minha   esperança
Não sei quem é. Leva consigo
além do sob o braço o jornal
a sedução de ser seja quem for
aquele que não sou
E vai não sei onde
visitar não sei  quem
Sinto  saudades de   alguém
lido ou sonhado por mim
em sítios onde não estive
Há  uma parte  de  mim  que  me  abandona
e  me  edifica  nesse  vulto  que
cheio de ser visto por mim
é  o maior acontecimento
da tarde de domingo
Ei-lo que avança e desaparece
E estou de novo comigo
sobre o asfalto onde quero estar

In Aquele Grande Rio Eufrates
Ruy Belo
AH PODER SER TU SENDO EU!
« Voltar