Quem tu és não importa, nem conheces

O sonho em que nasceu a tua face:

Cristal vazio e mudo.

Do sangue de Quixote te alimentas,

Da alma que nele morre é que recebes

A força de seres tudo.


In Os Poemas Possíveis
José Saramago
« Voltar