Lembrar teus carinhos induz
a ter existido um pomar
intangíveis laranjas de luz
laranjas que apetece roubar.


Teu luar de ontem na cintura
é ainda o vestido que trago
seda imaterial seda pura
de criança afogada no lago.


Os motores que entre nós aceleram
os vazios comboios de sonho
das mulheres que estão a espera
são o único luto que ponho.


In O Vinho e a Lira
Natália Correia
BILHETE PARA O AMIGO AUSENTE
« Voltar