A paz do dia, a luz que faz a paz —
Tudo isso faz
Que em um momento esqueça quem me fiz —
O poeta abstracto e infeliz,
Que escreve para dar a entender
Que não tem nada que dizer.
14 - 9 - 1935

In Poesia 1931-1935 e não datada , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2006
Fernando Pessoa
« Voltar