Bem sei que ela era a Rainha.
Tantas vezes a sonhei
Que julguei até que a tinha
Com quanto a imaginei…

Porque a gente, por pensar,
Julga que pode querer,
Até sentir que sonhar
É pensar sem poder ter.

Bem sei. Mas era a rainha
E não abdico encontrá-la.
Faltam-me o ser ela minha
E as condições e a sala.

 

8 - 10 - 1934

In Poesia 1931-1935 e não datada , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2006
Fernando Pessoa
« Voltar