Os versos da minha pena
Buscam, como o fogo o céu,
A mais formosa morena
Que meu coração conheceu.

Por te buscar, minha vida
Deixei o meu coração
Por isso ela nem já sente
E ele já não vive, não.

Teu coração pesa muito
Na balança do amor;
Há cousas que muito pesam
E não têm nenhum valor.


22-6-1909

In Poesia 1902-1917 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar