Desisti de saber qual o Teu nome,
Se tens ou no tens nome que Te demos,
Ou que rosto que toma, se algum tome,
Teu sopro to alm de quanto vemos.

Desisti de Te amar, por mais que a fome
Do Teu amor nos seja o mais que temos,
E empenhei-me em domar, nem que os no dome,
Meus, por Ti, passionais e vos extremos.

Chamar-Te amante ou pai... grotesco engano
Que por demais tresanda a gosto humano!
Grotesco engano o dar-te forma! E enfim,

Desisti de Te achar no quer que seja,
De Te dar nome, rosto, culto, ou igreja...
– Tu que no desistirs de mim!


In Biografia
José Régio
Voltar