Tomou-me vossa vista soberana
adonde tinha as armas mais mo,
por mostrar que quem busca defenso
contra esses belos olhos, que se engana.

Por ficar da vitria mais ufana,
deixou-me armar primeiro da Razo;
cuidei de me salvar, mas foi em vo,
que contra o Cu no val defensa humana.

Mas porm se vos tinha prometido
o vosso alto destino esta vitria,
ser-vos tudo bem pouco est sabido;

que, posto que estivesse apercebido,
no levais de vencer-me grande glria:
maior a levo eu de ser vencido.

Luís Vaz de Camões
[TOMOU-ME VOSSA VISTA SOBERANA]
Voltar