Que soidade de mha senhor ei,
quando me nembra d’ela qual a vi
e que me nembra que bem a o
falar, e, por quanto bem dela sei
           rogu’eu a Deus, que end’ o poder,
que mha leixe, se lhi prouguer, veer


Cedo, ca, pero mi nunca fez bem,
se a non vir, non me posso guardar
d’ enssandecer ou morrer com pesar,
e, por que ela tod’en poder ten
            rogu’ eu a Deus, que end’ o poder,
que mha leixe, se lhi prouguer, veer.


Cedo, ca tal a fez Nostro Senhor:
de quantas outras e no mundo son
non lhi fez par, a la minha f, non,
e, poi-la fez das melhores melhor,
           rogu’eu a Deus que end’ o poder,
que mha leixe, se lhi prouguer, veer


Cedo, ca tal a quis o Deus fazer
que, se a non vir, non posso viver
 

Dom Dinis
Voltar