Dormir
mas o sonho
repassa
duma insistente dor
a lembrança
da vida
água outra vez bebida
na pobreza da noite;
e assim perdido
o sono
o olvido
bates, coração, repeles
sem querer
o dia.

In Cantata
Carlos de Oliveira
« Voltar