Cada um cumpre o destino que lhe cumpre,
E deseja o destino que deseja;
      Nem cumpre o que deseja,
      Nem deseja o que cumpre.

Como as pedras na orla dos canteiros
O Fado nos dispõe, e ali ficamos;
      Que a Sorte nos fez postos
      Onde houvemos de sê-lo.

Não tenhamos melhor conhecimento
Do que nos coube que de que nos coube.
      Cumpramos o que somos.
      Nada mais nos é dado.

29 - 7 - 1923

In Poesia , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, 2000
Ricardo Reis
[CADA UM CUMPRE O DESTINO QUE LHE CUMPRE ]
« Voltar