Demora o olhar, demora
Mais um momento em mim...
Minh'alma há muito chora
Porque um olhar assim
A fita sem ter fim

Demora o olhar, e esquece
Que demoras o olhar...
Que melhor vida ou prece
Que, mesmo sem constar
Às almas que há amar,
E à que a vida arrefece
Fica, olhar no olhar...


c.5-11-1909

In Poesia 1902-1917 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar