Ela esperava em vão
Nunca dizia o quê.
(Passa no meu coração
O segredo do que é...)

Louca, loura, leal
Ao seu sonho secreto,
Com uma □
E um vestido preto.

Porque esperava ela?
Lábios já sem cor.
No palácio à janela,
Cá fora □

O seu vulto é antigo.
Só o seu parque está.
(Trago às vezes comigo
Alguém que não há)

O que esperava a louca?
O elmo? o rei? o embarque?
Toda a vida é pouca
(Folhas pelo parque...)


□ espaço deixado em branco pelo autor

28 - 2 - 1917

In Poesia 1902-1917 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar