Pergunto se não corre esta secreta
música de tanto olhar a água,
pergunto se não arde
de alegria ou mágoa
este florir de ser na noite aberta.

 


In Ostinato Rigore
Eugénio de Andrade
NOCTURNO DE VENEZA
« Voltar