Sou de longe e vim de longe, 
Para longe que me vou... 
Eis a profunda certeza 
Que o andar c me ensinou. 
Porque me atirais carregos 
Que o mundo vos atirou? 
So vossos..., pois vs sois deles! 
Mas no so meus, que o no sou! 

Minha vida em qualquer vida 
So dois dias de hospedagem. 
Divago de vida em vida, 
Vivo em adeus e em viagem. 
Poupai-me aos vossos costumes, 
Que s parei de passagem! 
Poupai-me...!, e que eu sonhe um pouco 
No fundo da carruagem. 

Basta-me ter o que tenho 
Quer para andar, quer andado! 
Basta-me a lngua que falo, 
Que a falo..., e fico calado! 
Basta-me dar-vos a todos 
gua da chaga do lado! 
Basta-me, sendo infinito, 
Ver-me a um cadver atado. 

Talvez, porm, que este mundo 
Fingisse, quase, ser meu, 
Talvez..., nuns dias de frias 
Que o Alto me concedeu, 
Se eu pudera passear nele, 
Sem tutor e sem lebru, 
Pastando as ervas da terra, 
Bebendo os astros do cu... 

Porque me pondes olheiras, 
E me calais com mordaas? 
Porque me sois cicerones 
Destes museus com vidraas? 
Porque me dais estas sopas, 
Com vinho das vossas taas? 
Porque me tendes receio, 
Se ignoro as vossas trapaas? 

Ah, feia maneira a vossa 
De hospedar um estrangeiro! 
Pondes-me a servir na casa 
Como um servo e um prisioneiro; 
Violentais-me vossa mesa, 
No fim levais-me dinheiro, 
Fazeis-me e pedis-me brindes 
De farsante e de rafeiro! 

Pois que o meu corpo vos sirva, 
Se vos serve carne morta! 
Minha lepra se enrodilhe 
No lixo da vossa porta! 
Minhas patas sigam vossa 
Recta viela retorta...! 
Fui eu quem fez essa farsa? 
Tudo isso que diz? que importa? 

S diz que o meu corpo cumpre 
No sei que necessidade. 
S diz que ele e eu rompemos 
Meu sonho de sociedade... 
S diz que por vs, por ele, 
Renego a felicidade, 
— Mas s por lhe dar, e dar-vos, 
E me dar a liberdade! 


In Poesia I - Obra completa , Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 2001
José Régio
Voltar