Som breve da água,
Tão calmo e tão bom,
Não sei se esta mágoa
É mais ou é menos
Ouvindo esse som.

Sei que é diferente.:.
Mas não sei dizer
Se o som que se sente
Da água vai fazer
Lembrar ou esquecer...

Sei eu o que sinto?
Sei eu o que sou?
Defino-me, e minto...
Com a água, e o seu canto,
Cantando me vou...
23 - 10 - 1927

In Poesia 1918-1930 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar