Um templo construí - muro e fachada -
Sem a ideia de espaço projectada,
Com o requinte de um barco engalanado;
As paredes são feitas de meus medos,
Os torreões de choro e pensar fundo -
E esse estranho templo desfraldado
Qual bandeira de morte, qual chicote
Que fere e está na alma enrolado,
É muito mais real que todo o mundo.


1907

In Poesia , Assírio & Alvim , edição e tradução de Luisa Freire, 1999
Alexander Search
« Voltar