1.


A do chale vago chegou à janela.
A noite lá fora não era coisa nenhuma.
Todo o silêncio estava preso pela proa ao único insecto remotamente estrídulo
Ela ajeitou o seu gesto na sombra de encontro ao coração
E ter amado fez-lhe pena com a testa de encontro à vidraça.
E por detrás dela o silêncio do porto também espera em vão.


2.


A casaria de Lisboa vai por ali abaixo em degraus
E pára à beira da minha emoção,
E à minha emoção chama-se o Tejo,
Há ondas ao fundo da minha emoção e na superfície do Tejo.

24 - 6 - 1916

In Poesia 1902-1917 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar