Se me voltar fico 
diante do meu rosto, 
não suportarei 
o meu puro olhar.
 
Quem me procurará 
entre os homens? 
Um intruso grita 
dentro de mim, oiço-o no coração 

como um irmão medonho 
sonhando a minha vida 
por outro vivida 
em mim, também um sonho. 


In POESIA REUNIDA , Assírio & Alvim, 2001
Manuel António Pina
« Voltar