Uma melodia
      No meu ser nasceu...
Senti-a, perdi-a; 
      Nascendo morreu...

Relâmpago breve,
      Vendo-a, não a vi;
Mas minha alma a teve,
      Nova, e sua, e em si.

Com que horror de mágoa
      Busco-a, em vão,
em vão...
Fugiu-me da mão, água.
      Nem abri a mão!

Que importa, olhos meus?
      Passou por meu ser
De Deus para Deus...
      Torná-la-ei a ter.
25 - 12 - 1912

In Poesia 1902-1917 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar