Constrói para mim um lar
Num bosque, casa simples, sossegada
Como em sono o respirar,
Onde toda a vontade acomodada
E pequenos prazeres possam morar.

Dá-me um palácio, a seguir,
Com salas e luzes em profusão,
Para que eu possa sentir
Que o desejo duma casa em escuridão
Se foi, para voltar por cumprir.

Cava depois uma cova,
Para que o que nas casas não pude ter
Aí o tenha de sobra;
Para que o cansaço de todo o viver
Cesse, como a vaga que soçobra.


In Poesia , Assírio & Alvim , edição e tradução de Luisa Freire, 1999
Alexander Search
« Voltar