No mais pobre retraço de papel,
Como a uma mão suja se dá água
Escreverei o amor que tenho à vida.
Não direi nada de cruel;
Foi justa a mágoa
Dela havida.

Direi apenas que essa carta
sem bico de ave ou selo posto
É como um anjo que se aparta
No seu angélico desgosto

 


In O Pão e a Culpa
Vitorino Nemésio
« Voltar