Como estranha a minha liberdade 
As coisas deixam-me passar 
Abrem alas de vazio p’ra que eu passe 
Como estranho viver sem alimento 
Sem que nada em ns precise ou gaste 
Como estranho no saber 

In No Tempo Dividido
Sophia de Mello Breyner Andresen
Voltar