Mas a noite e o Silêncio continuaram
A cercá-lo de frio e de tristeza
E então, em renovada prece aos surdos
Abismos de arredor, ele falou:
«Dizei ao menos, ó presenças vagas
Com que o mistério veste o corpo seu,
Paisagens de vislumbre e encantamento,
Abstractas negações da tangível terra,
Que fim dareis um dia ao meu tormento?
Que destino me espera ao caminho
Que as valas do ignoto, ladeando,
Alagam, a que a morte não conhece?...
6 - 11 - 1916

In Poesia 1902-1917 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar