Navegavam sem o mapa que faziam 
(Atrás deixando conluios e conversas 
Intrigas surdas de bordéis e paços) 
Os homens sábios tinham concluído 
Que só podia haver o já sabido: 
Para a frente era só o inavegável 
Sob o clamor de um sol inabitável 
Indecifrada escrita de outros astros 
No silêncio das zonas nebulosas 
Trémula a bússola tacteava espaços 
Depois surgíram as costas luminosas 
Silêncios e palmares frescor ardente 
E o brilho do visível frente a frente 

In Navegações
Sophia de Mello Breyner Andresen
« Voltar