De tanto olhar o sol, queimei os olhos.
De tanto amar a vida, enlouqueci,
Agora sou no mundo esta negrura,
À procura
Da luz e do juízo que perdi.

Cego, tacteio em vão a claridade;
Louco, cuspo no rosto da razão;
E deambulo assim
Dentro de mim,
Negação a negar a negação.


In Câmara Ardente
Miguel Torga
« Voltar