Não mais no fundo morto da hora,
Parque, ermo ausente passarei
Ao som de águas que a tarde chora
Nem te verei...
25 - 7 - 1921

In Poesia 1918-1930 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar