Fria é a vida.
O amor ‘stá longe, o amor ‘stá longe.
Aqui onde só a secura surge
Da areia, da areia
O amor stá longe
Ligeiro e lento vem
Sem cor, nem dor, a ferir, a ferir
Ligeiro ou lento vem
Sob o cair do falar que sussurra
Do céu, sob o céu
Ligeiro,
Ligeiro,
Ligeiro,
Ligeiro ou lento,
Vem,
Ligeiro ou lento vem, pelo além vem
Ligeiro, lento, ligeiro, lento...
Ligeiro
Ou lento
Vem...
Ligeiro ou lento vem.

In Poesia 1918-1930 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar