Ó sorte de olhar mesquinho
E gestos de despedida,
Apanha-me do caminho
Como uma cousa caída...

Resvalei à via velha
Do colo de quem sonhava.
Lava-me como na celha
O sabão de quem lavava...
 
Quem quer saber de quem fora
Quem eu fora se outro fosse.
Olha-me e deita-me fora
Como quem farta do doce.

24 - 6 - 1930

In Poesia 1918-1930 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar