Segundo eu suponho, houve um país
Onde todos tinham torto o nariz.


E o nariz torto de cada um
Não entristecia, de modo nenhum


Mas neste país um homem nasceu
Com nariz direito e assim cresceu;


Os homens, por ódio, nesse país
Mataram o homem do belo nariz.

 

1907

In Poesia , Assírio & Alvim , edição e tradução de Luisa Freire, 1999
Alexander Search
« Voltar