Tanto de meu estado me acho incerto,
Que, em vivo ardor, tremendo estou de frio;
Sem causa, juntamente choro e rio,
O mundo todo abarco, e nada aperto.

tudo quanto sinto um desconcerto;
Da alma um fogo me sai, da vista um rio;
Agora espero, agora desconfio;
Agora desvario, agora acerto.

Estando em terra, chego ao Cu voando;
Num'hora acho mil anos, e de jeito
Que em mil anos no posso achar um'hora.

Se me pergunta algum, porque assi ando,
Respondo que no sei; porm suspeito
Que s porque vos vi, minha Senhora.

Luís Vaz de Camões
[TANTO DE MEU ESTADO ME ACHO INCERTO]
Voltar