Sobre a seta que o santo padre mandou a El-Rei
D. Sebastio no ano do senhor de 1575:

 

Mui alto Rei, a quem os Cus em sorte
deram o nome augusto e sublimado
daquele cavaleiro que, na morte
por Cristo, foi de setas mil passado;
pois dele o fiel peito, casto e forte,
co nome imperial tendes tomado,
tomai tambm a seta veneranda,
que a vs o sucessor de Pedro manda.

J por sorte do Cu, que o consentiu,
tendes o brao seu, relquia cara,
defensor contra o gldio que feriu
o povo que David contar mandara.
No qual, pois tudo em vs se permitiu,
pressgio temos e esperana clara
que sereis brao forte e soberano
contra o soberbo gldio mauritano.

E o que este pressgio agora encerra
nos faz ter por mais certo e verdadeiro
a seta que vos d quem na Terra
das relquias celestes dispenseiro;
que as vossas setas so, na justa guerra,
agudas; entraro por derradeiro,
- caindo a vossos ps povo sem lei -
nos peitos que inimigos so do Rei.

Quando vossas bandeiras despregava
Albuquerque fortssimo, com glria,
polas praias da Prsia, e alcanava
de naes to remotas a vitria;
as setas embebidas que tirava
o arco armusiano larga histria
que no ar, Deus querendo, se viravam
pregando-se nos peitos que as tiravam.

O querido de Deus, por quem peleja
o ar tambm e o vento conjurado,
ao atambor acode, por que veja
que quem a Deus ama e de Deus amado.
Os contrrios, reveis a madre Igreja,
atroaro co tom do Cu irado,
que assi deu j favor maior que humano
a Josu hebreu, a Teodsio hispano.

Pois se as setas tiradas da inimiga
corda, contra si s nocivas so,
que faro, Rei, as vossas que tm liga
coa que j tocou Sebastio?
Tinta vem do seu sangue com que obriga
a levantar a Deus o corao,
crendo que as que vs atirareis
no sangue sarraceno as tingireis.

Ascnio – se trazer-me concedido,
entre santos exemplos, um profano -
rei do largo imprio conhecido
romano, e s relquia do Troiano,
vingou, com seta e nimo atrevido,
as soberbas palavras de Numano;
e logo foi dali remunerado,
com louvores de Apolo celebrado.

Assi vs, Rei, que fostes segurana
de nossa liberdade, e que nos dais
de grandes bens certssima esperana;
nos costumes e aspeito que mostrais,
concebemos segura confiana
que Deus, a quem servis e venerais,
vos far vingador dos seus revis,
e os prmios vos dar que mereceis.

Estes humildes versos, que prego
so destes vossos reinos, com verdade,
recebei com humilde e leda mo,
pois devido a reis benignidade.
Tenham – se no merecem galardo -
favor, sequer, da rgia Majestade;
assi tenhais, de quem j tendes tanto,
com o nome e relquia, favor santo.

Luís Vaz de Camões
[MUI ALTO REI A QUEM OS CÉUS EM SORTE]
Voltar