De c, donde somente o imaginar-vos
a rigorosa ausncia me consente,
sobre as asas de Amor, ousadamente
o mal sofrido esp'rito vai buscar-vos.

E, se no receara de abrasar-vos
nas chamas que por vossa causa sente,
l ficara convosco e, vs presente,
aprendera de vs a contentar-me.

Mas pois que estar ausente lhe forado,
por Senhora de c vos reconhece,
aos ps de imagens vossas inclinado;

e pois vedes a f que vos of'rece,
ponde os olhos, de l, no seu cuidado,
e dar-lhe-eis inda mais do que merece.

Luís Vaz de Camões
[DE CÁ DONDE SOMENTE O IMAGINAR-VOS]
Voltar