Coroa ou tiara
E só peso posto
Na fronte antes lisa.
Coroa de rosas,
Coroa de louros,
De nada nos servem.

Que o vento nos possa
Tocar nos cabelos,
Coroar-nos a fronte!

Que a fronte despida
Possa reclinar-se,
Serena, onde durma.

Cloe! Não conheço
Melhor alegría
Que esta fronte lisa.

19 - 11 - 1933

In Poesia , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, 2000
Ricardo Reis
« Voltar