Perdoa-me tu que s pobre
E bens de estender a mo:
Meu direito de dar esmola
um roubo do teu po.

Pobre te ficas na rua
Encostado a. uma parede:
Eu, mendiga sem ter mos,
Tenho fome, tenho sede.


In O Cantar da Tila - poemas para a juventude
Matilde Rosa Araújo
Voltar