Loura, elevada naquela
Postura de quasi triste,
Tive vontade, só a vê-la,
De ir ter sem peias, com ela
E perguntar-lhe se existe.

Sim, na estação suburbana
De que romance fugiu?
A quanto é sonho se irmana
Maravilha, filigrana
De que a carne conseguiu.

Mas não digo nada. Olho,
Sem entender o que vejo;
Sonho que, incerto, desfolho -
Pétalas, pétalas em molho -
Os jardins do meu desejo.

7 - 10 - 1931

In Poesia 1931-1935 e não datada , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2006
Fernando Pessoa
« Voltar