«Ora diz-me», assim falou um dia 
A um poeta alguém duro, insensível, 
«Se tivesses de optar entre ver morta — 
Tua mulher, a quem tanto querias — 
E a perda total, irreversível, 
De teus versos todos, dela em troca — 
Qual das perdas tu mais sentirias?» 

O poeta olhou surpreso, em dor 
E desgostoso, o interlocutor, 
Cuja pergunta sem cabimento 
Quebrou seu íntimo recolhimento, 
Sem responder; sorriu o outro então 
Como se fora seu mais velho irmão: 
A percepção do sentido atento 
Ao súbito, intenso conhecimento 
Da nova consciência que o apanhara, 
Foi mais amargo do que imaginara. 
Mais, do que um sorriso, violento. 

In Poesia , Assírio & Alvim , edição e tradução de Luisa Freire, 1999
Alexander Search
« Voltar