Que saia a última estrela
da avareza da noite
e a esperança venha arder venha arder em nosso peito

E saiam também os rios
da paciência da terra
É no mar que a aventura
tem as margens que merece

E saiam todos os sóis
que apodreceram no céu
dos que não quiseram ver
— mas que saiam de joelhos

E das mãos que saiam gestos
de pura transformação
Entre o real e o sonho
seremos nós a vertigem

 


In Tempo de Fantasmas
Alexandre O' Neill
« Voltar